Blog / Inspiração

7 dicas de fotografia para tatuadores

9 de agosto de 2018 Equipe Find Compartilhar facebook Twitter

Se você ainda não percebeu a importância de registrar seus trabalhos, está perdendo tempo! É por meio desses registros que novos clientes podem se interessar por seu traço e, assim, solidificar o seu nome no mercado. Portanto, dicas de fotografia são mais que bem-vindas para qualquer tatuador.

Boas fotos não só compõem seu portfólio — que pode ser disponibilizado on-line ou impresso —, mas também servem para divulgação em redes sociais, aumentando o alcance do seu estúdio e atraindo o público-alvo.

Justamente por isso, ter noções básicas sobre o assunto pode valorizar, e muito, o seu trabalho. Então, acompanhe este post e confira algumas dicas de fotografia para as suas tatuagens!

1. Tenha uma câmera de boa resolução

Independentemente de você usar as fotos para montar um portfólio ou divulgar o seu trabalho nas redes sociais, é essencial investir um pouco em equipamento.

Hoje em dia, contudo, isso pode ser tanto com um bom celular quanto com uma câmera. Afinal, se até videomakers criam editoriais só com um iPhone, por que você não poderia fazer o mesmo?

Para celulares

Uma de nossas dicas de fotografia é prestar atenção na resolução da imagem. Se preferir o uso do celular, pesquise megapixels e procure opiniões sobre as diferentes lentes — sempre há um ou outro site comparando resultados de fotos.

Além disso, nada de usar a câmera frontal! Ela pode ser ótima para as famigeradas selfies, mas a verdade é que tanto qualidade quanto resolução delas são infinitamente inferiores às da câmera traseira. E isso independe de marca, viu?

Para câmeras

Se você dispor de uma verba um pouco maior, os resultados de câmeras comuns sempre são melhores. E ela nem precisa ser uma profissional ou semi — basta apostar em uma DSLR!

Essas câmeras costumam ter um conjunto de lentes melhor e oferecem maior controle sobre o foco, além de serem rápidas no clique. Ou seja, são opções principalmente interessantes para quem não é formado na área.

Aliás, recentemente a Canon trouxe ao Brasil a sua EOS Rebel SL2, voltada para iniciantes — tendo ate um assistente de uso que ensina sobre os ajustes de abertura do diafragma, por exemplo, que dão diferença no resultado final.

A marca conta com outras opções que são bem intuitivas para quem está começando, como a Canon Rebel T5i. Para quem prefere a sua concorrente, Nikon, uma sugestão é a Nikon D3400, modelo projetado para ser bem simples, possibilitando a qualquer usuário fotografar bem (e com facilidade).

2. Invista na iluminação

Acredite se quiser: a luz natural, ou seja, a do sol, ainda é a que mais favorece as imagens. Então, tente encontrar um espaço próximo à janela para fazer suas fotos — tomando cuidado também com o fundo, tópico que abordaremos mais para frente.

Se isso não for possível, ainda assim evite o flash. Com ele, o resultado pode ser uma imagem manchada ou com brilhos indesejados, principalmente em um ambiente mal iluminado.

Existem opções boas e baratas de kits de iluminação para fotógrafos. Caso opte por um desses, tome o cuidado de evitar sombras muito bruscas. Dê preferência para lâmpadas frias, de tonalidade branca. Assim, você evita distorcer a tonalidade da foto — e, consequentemente, das cores do seu trabalho.

3. Cuide do balanço de branco

Você já percebeu que algumas fotos ficam mais amareladas ou azuladas, mesmo se tiradas no mesmo ambiente? Isso acontece por causa do balanço de branco, e pode influenciar a forma como as pessoas verão o trabalho, principalmente se utilizar variadas cores.

O balanço de branco é uma função das câmeras fotográficas responsável por corrigir a coloração de uma foto.

Seu nome vem do funcionamento: você indica o que deve ser considerado como branco na imagem e, a partir daí, ela calibra as demais cores. Portanto, vale checar o manual da câmera para entender como utilizar corretamente essa função em vista da luz empregada para a foto.

4. Prefira fundos neutros

Ao fotografar uma tatuagem, você não quer que a atenção recaia sobre a sua bancada ou numa decoração legal do estúdio, correto? Então, evite fotografar com muitos elementos ao redor, que possam distrair quem vê o resultado.

Tente planejar um canto ideal dentro do seu estúdio, levando em consideração a iluminação e o fundo. A preferência é por cores neutras, que não atraiam tanta atenção. Assim, quando surgir a oportunidade de fotografar a tatuagem de um cliente, você saberá exatamente onde deve posicioná-lo!

5. Experimente diferentes ângulos

Quando chega a hora de fotografar, o ângulo e o enquadramento mudam totalmente o que vai ser retratado.

Se você colocar a câmera virada mais para cima ou mais para baixo, por exemplo, a quantidade de luz que entra mudará, e isso pode interferir nas cores da tatuagem. Além disso, o enquadramento certo pode destacar detalhes da tatuagem, ou mesmo garantir que ela pareça simétrica na foto — uma perspectiva errada e ela pode parecer deformada no retrato.

Lembre-se: você sempre pode pedir para a pessoa virar um pouco o corpo para ficar mais visível, mas o ideal é que o fotógrafo mude de posição. E nada de investir em poses que não faríamos em situações rotineiras! Afinal, fotos menos montadas e artificiais são mais bem-aceitas.

6. Saiba lidar com as dificuldades que a pele apresenta

Não há jeito: o fator humano sempre interfere no resultado de uma foto — seja para o bem ou para o mal. Quando o assunto é tatuagem, então, a pele pode fazer a diferença para o clique perfeito! Por isso, entenda melhor o que fazer para usá-la a seu favor.

Se pretende evidenciar o traçado ou o trabalho de pontilhismo, por exemplo, o ideal é que ela não apresente brilho. Para isso, utilize um guardanapo para secar a região antes de bater a foto.

Agora, se o foco é uma tatuagem menor, que merece um close-up, você pode fazer o contrário. Deixe um spray com água no espaço reservado para fotos e coloque-o em ação nesses casos: as gotas criam um bom efeito para fotos em detalhe. E o flash ainda ajuda a destacar a textura criada.

Imagine que você precisa fotografar uma tatuagem que pega toda a panturrilha. Dependendo da calça que a pessoa estiver usando, a pele pode ficar avermelhada na região. Por isso, quando o seu cliente tirar uma peça de roupa mais apertada, dê alguns minutos até que a pele não apresente marcas ou vermelhidão.

7. Edite a imagem

Mesmo com iluminação e fundo certos, pequenos retoques podem ajudar a realçar cores ou corrigir imperfeições da pele. E, hoje, não precisa ser um mago do Photoshop para arrumar esse tipo de detalhe. Existem muitas opções de apps e ferramentas on-line bem fáceis de usar que oferecem bons resultados — o próprio Photoshop conta com uma versão mobile para ajustes em fotos.

Além disso, você pode investir em filtros para suas fotos. Para isso, o queridinho dos últimos tempos é o Huji Cam. Esse app tem visual retrô e leva suas fotos direto para os anos 90.

A imagem fica bem parecida com fotos analógicas, inclusive com a data no canto inferior e efeitos de luz. Sua desvantagem é que não dá para pegar uma foto da galeria e editá-la — ela precisa ser tirada na hora.

Outra opção, disponível também para web, é o Pixlr, que conta com uma série de funções úteis, incluindo o balanço automático de cor, enfoque e alguns filtros próprios, alguns também simulando câmeras analógicas. Enfim, basta escolher o que mais lhe agrada.

Bom, colocando todo essas dicas de fotografia em ação, é certo que você terá fotos com aspecto bem mais profissional para divulgar seu trabalho. Pode não parecer, mas isso passa confiança para quem — vê e pode afetar diretamente o número de clientes fechando novos desenhos.

E aí, gostou do nosso post? Então, por que não compartilhá-lo em suas redes sociais e ajudar outros tatuadores a melhorar na divulgação?