Blog / Curiosidades

Descubra a origem dos estilos de tatuagem mais procurados e o que eles significam

27 de março de 2018 Luciana Leal Paiva Compartilhar facebook Twitter

Fazer uma tatuagem não é algo simples, temos muito o que pensar antes de iniciar esse processo, que vai da escolha do desenho até o estúdio de tatuagem que lhe passe maior confiança. Além disso, detalhes como local do corpo e estilos de tatuagem são fatores que acabam nos confundindo muito na hora de bater o martelo e efetivamente enfrentar as agulhas.

Existem dezenas de estilos de tatuagem, cada símbolo pode ter vários significados diferentes, de acordo com a cultura e a época em que foram criados. Tudo isso deve ser levado em consideração, afinal, um desenho que ficará marcado em sua pele pelo resto da vida precisa ter alguma familiaridade com a sua personalidade ou história.

Se tatuar vai muito além de mudar a aparência e se destacar em seu grupo social. É uma expressão de seu ser, um modo de exteriorizar sentimentos e memórias de maneira artística e única. A mudança da aparência é apenas uma consequência de tudo isso.

Se você tinha alguma dúvida sobre qual estilo escolher ou qual a sua história, está no lugar certo! Este guia completo lhe mostrará como é o processo para criar uma tatuagem, sua história e qual o significado dos estilos mais famosos do mundo. Confira a seguir e tire suas próprias conclusões.

Saiba como é feita a tatuagem moderna

O processo de aplicação de uma tatuagem, apesar de parecer simples, na verdade é bem complexo. Ela é feita através da injeção de uma pequena gota de tinta não solúvel na parte mais interna da pele.

Hoje em dia esse processo é feito com uma máquina elétrica, em que através de movimentos constantes faz entre 50 e 3 mil perfurações por minuto, dependendo do tipo de arte e técnica que o artista utiliza.

As agulhas penetram cerca de 1 milímetro de profundidade na região da derme e isso acontece muito rápido, causando uma sensação de ardência ou irritação, ou seja, uma dor tolerável. Como a tinta não é absorvida pelo organismo, o local de sua aplicação se torna uma espécie de ferida, que cicatriza depois de alguns dias e por fim eterniza o desenho na pele.

Após o final do processo, é importante o cuidado e assepsia do local onde a tatuagem foi feita, para evitar um processo inflamatório, má cicatrização ou formação de queloide. Para que isso não ocorra, siga as orientações de seu tatuador, evite coçar a tatuagem, expô-la ao sol, colocá-la em contato com água em excesso ou qualquer atitude que possa irritar sua pele.

História da tatuagem

A história da tatuagem é muito antiga e ainda hoje não é possível ter certeza de quando realmente ela surgiu. Arqueólogos e historiadores sempre acabam encontrando rastros de sua existência, principalmente em corpos mumificados.

Em 1991 foi encontrado o cadáver congelado de um homem da idade do cobre — 3.300 a 1.200 a.C. — que possuía pigmentações na região dos pulsos, costas, tornozelos, joelhos e pés. Os exames indicam que as marcações foram feitas com o uso de carvão friccionado contra a pele.

Um estudo detalhado mostrou que havia degeneração óssea nas áreas em que as tatuagens estavam e chegaram a conclusão de que os desenhos faziam parte de um arcaico tratamento médico para redução de dores decorrentes da doença que o homem possuía, que foi apelidado de “Ötzi”.

De acordo com a revista National Geographic, restos mortais de mulheres que eram responsáveis por rituais com danças nos funerais egípcios, também possuíam tatuagens similares em seus corpos. Isso teria ocorrido cerca de 2 mil anos antes de Cristo.

Já os romanos, desenvolveram técnicas para aplicar e até remover tatuagens da pele, que eram usadas geralmente para demarcar criminosos e diferenciá-los do restante da sociedade. Com o passar do tempo, criou-se um costume entre os soldados, que começaram a se marcar como símbolo de bravura.

Mais adiante, durante os séculos XI e XII depois de Cristo, foi a vez de os soldados de Jerusalém. Eles tatuavam cruzes em seus corpos e, caso fossem abatidos em combate, as marcas lhe assegurariam o direito de um enterro cristão.

Com o fim da era das Cruzadas, as tatuagens caíram em desuso no Ocidente, mas ainda cresceram e se desenvolveram de várias maneiras no Oriente do planeta.

No século XVIII, com o aumento expressivo de viagens marítimas, a tatuagem foi redescoberta por marinheiros europeus, após contato com tribos e culturas da região sul e central do Pacífico.

Em meados de 1769, o capitão James Cook se deparou com a arte da tatuagem em uma visita ao Taiti e foi um dos grandes responsáveis por difundi-la. Na época, conhecida como “tatau”, a tatuagem ganhou o nome de tattoo — em inglês — e é até hoje conhecida por esse nome. Daí em diante, foi se difundindo no Ocidente e chegou até os dias atuais, ganhando maior força na Europa e Estados Unidos com a abertura de estúdios profissionais.

Com a modernização dos processos para se fazer uma tatuagem e a desconstrução de velhos conceitos, hoje quase todas as cidades do mundo possuem estúdios especializados e com filas enormes de clientes esperando sua vez para fazer sua tattoo.

Quais os principais estilos de tatuagem e o que significam?

Toda tatuagem tem diferenças, seja pelo estilo adotado, técnica do artista ou equipamento utilizado em sua produção. No decorrer de séculos, muitos estilos foram identificados e cada um deles possui características marcantes, que os diferenciam apenas ao observá-los.

Por trás de cada estilo há uma vasta história, algumas muito antigas e outras nem tanto, mas de fato, todas merecem a devida atenção, pois se você pretende investir seu dinheiro em uma tatuagem, é importante que saiba qual a sua origem e seu significado. Confira alguns dos principais:

Old School

Há pouco mais de 1 século, quando a arte da tatuagem ainda não era tão difundida no mundo moderno, os recursos eram mais escassos, assim como as tintas e máquinas de tatuar. Por esse motivo, o estilo Old School ficou marcado pelos traços grossos e pretos, com uma paleta de cores bem reduzida: preto, azul, verde e vermelho.

Outro ponto característico do Old School é a sua simbologia, composta em sua maioria por desenhos de pássaros, caveiras, garotas pin ups, âncoras etc. Isso acontecia porque as pessoas tatuadas na época tinham o costume de escolher desenhos da realidade que viviam e, em sua maioria, eram músicos, marinheiros e barbeiros.

Até hoje o estilo não saiu de moda, pelo contrário, tomou força e é preferência de muitos clientes nos estúdios do mundo todo.

New School

A nova escola da tatuagem não difere tanto de sua antecessora, contudo houve uma evolução no uso de cores e símbolos. O estilo tem se caracterizado por exibir muitos elementos da cultura pop, como: filmes, séries, histórias em quadrinhos, mangás e animês.

Outra diferença é a proporcionalidade dos desenhos, que são mais fiéis à realidade e o contraste das cores, em que podemos perceber uma graduação mais refinada entre as mudanças de tons.

As tatuagens New School são democráticas. Elas dão liberdade para se unir outros estilos e elementos variados, evitando tradicionalismos, mantendo seu foco na criação de artes exclusivas e marcantes, com um colorido vivo.

Tribal

A tatuagem Tribal está entre os estilos mais antigos do mundo, seus registros históricos podem ser encontrados em muitas civilizações. Arqueólogos já descobriram múmias muito antigas que possuíam desenhos do estilo tribal pelo corpo.

Seu nome é dado pelo fato de ser comum em tribos nativas de diversas regiões e sua simbologia tem características similares:

  • tracejado grosso na cor preta; 
  • formas circulares e pontiagudas; 
  • curvas maiores ou menores; 
  • fácil expansão, pois não possuem estruturas fechadas
  • formas de animais ou motivos abstratos.

Esse estilo era muito famoso até o final da década de 90, mas perdeu um pouco de espaço com a chegada do estilo Maori — que também é uma tatuagem tribal, porém com singularidades que a diferenciam do tribal clássico.

Maori

Os Maori são um povo que originou da Polinésia, e durante sua viagem migratória instalou-se na Nova Zelândia. Ainda hoje contam com uma população de mais de 600 mil habitantes. Uma de suas características mais expressivas eram suas tatuagens, que tinham significado profundo: quanto mais nobre e melhor posicionado socialmente em seu clã, mais tatuagens tinham em seus rostos.

Eles eram grandes e orgulhosos guerreiros. Durante as batalhas, tinham o costume de decapitar seus oponentes e armazenar suas cabeças em urnas, tornando-as relíquias sagradas.

As tatuagens eram feitas com agulhas de bambu e tinta preta, com formas geométricas, espirais e desenhos de animais nativos, como tartarugas e corujas. Cada desenho retratava um pouco da história do tatuado, portanto eram motivo de orgulho e honra.

Hoje em dia — principalmente na última década — as tatuagens Maori caíram no gosto da população e esse estilo tem se difundido entre os estúdios do mundo todo, porém de maneira modernizada, com o uso de máquinas elétricas.

Os desenhos são os mesmos da antiguidade e além de bonitos, mantém viva a história do povo que dá nome a um dos estilos mais difundidos da atualidade.

Haida

Mais um estilo similar ao tribal, porém de origem norte americana e um dos primeiros a fazer o uso de outras pigmentações além do preto em suas artes. O povo Haida usava símbolos de animais e totens na composição de suas tatuagens.

Quando um membro da comunidade era tatuado, seu clã o apresentava publicamente em um rito cerimonial. Os símbolos representavam prestígio e poder para quem o possuía e, futuramente, seus descendentes também tinham o direito de herdar tais símbolos e tatuá-los em seu corpo.

Tatuagens Haida não são muito usadas no Brasil, mas não deixam de ser uma ótima opção de arte, em que salmões, orcas, pássaros e outros animais tem se mostrado os mais famosos entre os adeptos do estilo.

Celta

A civilização Celta é uma das mais ricas culturas do mundo antigo, famosa por ser a responsável pela criação do processo de extração e transformação do ferro no continente Europeu. Grande parte da evolução do mundo moderno se deve aos ensinamentos e técnicas desenvolvidas por eles.

Entre os membros dessa importante civilização existiam os Druidas, sacerdotes responsáveis pelo aconselhamento dos clãs e rituais. Acredita-se que o dia dos mortos, celebrado em quase todas as religiões modernas, foi originado na civilização Celta.

Por ser um cultura que adorava Deuses e elementos da natureza, muitos símbolos ricos em detalhes foram criados e passados por gerações até os tempos modernos. Figuras circulares de árvores e emaranhados de linhas que tendem ao infinito — parecidas com mandalas — são até hoje usadas como tatuagens, simbolizando equilíbrio e o ciclo infinito da vida, já que os Celtas acreditavam na vida eterna através da reencarnação.

Oriental

Chamada de Tebori — que significa entalhado a mão, o estilo Oriental é datado de mais de 3 mil anos antes de Cristo e passou por várias transformações durante sua história.

No passado, foi usada de várias maneiras, foram mais comuns para fins espirituais, proteção, decorativos, status e até para diferenciar os criminosos dentro da sociedade. Foi onde ganharam conotação negativa — entre 600 e 300 a.C. Essa prática só acabou em meados de 1870.

Anos depois o hábito de se tatuar foi adotado pela Yakuza, a perigosa máfia japonesa, responsável por crimes hediondos e diversas práticas ilícitas, que até hoje tem esse costume entre seus membros. Sua simbologia é composta por desenhos de carpas, gueixas, ideogramas e demais elementos da cultura local.

Ainda é possível encontrar no Japão e alguns lugares do mundo os mestres em Irezumi, a arte de tatuar com uma vara com agulhas em sua ponta. Essa técnica é extremamente difícil de se usar e os aprendizes trabalham anos junto a seu mentor até serem considerados aptos para trabalhar por conta própria.

O mais famoso — e ainda vivo — mestre em Irezumi é Hiriyoshi III. A fila para ter uma arte feita por ele é enorme. Um de seus discípulos é o brasileiro Jun Matsui, outra famosa personalidade do mundo da tatuagem oriental, já foi responsável até por tatuar a diva pop Rihanna.

Atualmente o estilo oriental continua em alta e certamente não cairá em desuso, pois são artes de muito bom gosto e que carregam uma bagagem histórica impressionante, mesmo aquelas feitas com o uso de máquinas elétricas. Do mesmo modo a sua qualidade e beleza são indiscutíveis.

Realismo

Esqueça os traços simples e as cores sólidas. No realismo a composição dos desenhos é extremamente complexa, geralmente em tons de preto, cinza e branco. Com sombreados e traços muito finos e perfeitos.

É um estilo muito comum em pessoas que querem eternizar o rosto de entes queridos, ídolos e animais, pois a semelhança do resultado final é enorme — é como olhar para uma fotografia.

Apesar da dificuldade de encontrar profissionais realmente capacitados para a execução desse trabalho, muitos estão se esforçando, estudando e aprendendo cada vez mais técnicas de realismo, pois a demanda desse estilo tem sido bem grande e lucrativa.

Muitos tatuadores tem se destacado nessa técnica, entre eles estão nomes como Jack Rudy, Bob Tyrrell, André Rodrigues e Kat Von D, sendo a última a estrela do reality show americano L.A. Ink, televisionado pelo canal TLC.

Biomecânica

Os primeiros relatos sobre as tatuagens biomecânicas são recentes, datados de 1980. Anos mais tarde se popularizaram depois de sofrerem influências do artista plástico Hans Ruedi Giger, ilustrador que foi responsável por desenvolver as criaturas do filme Alien, que misturavam peças metálicas com partes humanas.

Com a junção de técnicas do realismo, essas tatuagens reproduzem órgãos humanos e músculos, misturados com engrenagens e cabos, dando a impressão de que o corpo do tatuado possui intervenções científicas em sua estrutura. Por esse motivo recebeu o nome de biomecânica — ou trompel’oiel, nome francês que deu origem a essa técnica.

É possível encontrar artes incríveis no portfólio de artistas renomados, como Aaron Cain, que desde 1991 se dedica a esse estilo de tatuagem e é um dos mais famosos mestres em biomecânica do mundo.

Geométricas

Desenhos simples e complexos, com vários traços ou formados por uma única linha contínua. As tatuagens geométricas caíram no gosto de artistas e tatuados do mundo todo nos últimos anos e os resultados são incríveis!

Um dos padrões desse estilo é que os desenhos sejam abstratos, sem a representação de figuras humanas ou de animais. Os mais comuns são os triângulos sobrepostos, linhas onduladas, paralelas e quadrados em proporções tridimensionais.

De modo geral as tatuagens geométricas nem sempre possuem um significado histórico, como acontece com as orientais, por exemplo. Nesse caso, seu significado é definido pelo tatuado e a criação da arte é uma mistura da criatividade do artista e cliente.

Hoje em dia é comum que muitos clientes façam uso da mistura de técnicas para o desenvolvimento dos desenhos, os quais tem seus traços geométricos misturados com o pontilhismo e até com a aquarela.

Pontilhismo

O pontilhismo — também chamado de dotwork — é uma técnica utilizada por artistas impressionistas para alcançar uma graduação ou ilusão de profundidade das cores em uma obra de arte. Geralmente são feitas de maneira espontânea, visando gerar um efeito imediato de ilusão de ótica ao espectador.

Baseando-se nessa ideia, as tatuagens utilizando o pontilhismo são compostas por pequenos pontos geometricamente alinhados, com ou sem tonalidades diferentes, mas que no final formam uma arte complexa e nítida.

Essa também é uma técnica que se tornou famosa na última década e que tem se consolidado cada vez mais entre os amantes da arte da tatuagem em todo o mundo, pela sua complexidade e precisão na criação dos desenhos. É preciso perícia e principalmente paciência para se tatuar usando a técnica de pontilhismo, pois o processo costuma ser mais demorado do que o utilizado na tatuagem tradicional.

Aquarela

Estima-se que as pinturas em aquarela tenham mais de 2 mil anos de idade, criadas na China, mesma época em que o papel foi inventado. Nesse estilo as tintas são diluídas em água, causando o famoso efeito “manchado” que as tornam tão singulares.

Realizar uma pintura aquarela em uma tela é uma tarefa bem difícil, contudo, na pele de um ser humano essa complexidade aumenta muito, pois o tatuador não tem a opção de pincelar o desenho em seu cliente, mas sim simular esse efeito usando graduações de cores e restringindo ao máximo o uso de contornos nos desenhos, gerando o “efeito aquarelado” da tatuagem.

Milhares de artistas do mundo todo têm se dedicado a aperfeiçoar a técnica de aquarela aplicada na tatuagem. Os resultados são excelentes e a cada novo desenho apresentado, é notável uma riqueza de detalhes e impressão de espontaneidade nos traços e gradientes, como se fosse realmente uma pintura em uma tela.

A técnica é tão apreciada que tem se destacado entre os tatuadores e tatuados na última década, assim como o pontilhismo e desenhos geométricos.

Trash Polka

Criado pelos artistas Simone Pfaff e Volko Merschky do estúdio russo Buena Vista Tattoo Club, é um estilo recente, que tem ganhado fama entre os amantes de desenhos impactantes e bem elaborados. O trash polka faz uma fusão entre a realidade e o abstrato, com traços aleatórios, finos, grossos e sobreposição de imagens, formando uma arte única e complexa.

Tecnologia, animais, cultura pop, frases sem sentido, objetos, tudo é válido, desde que o caos seja o foco em uma arte trash polka. Não existem limites para a criatividade do artista e as opções são ilimitadas. Atualmente é comum encontrar elementos da aquarela, pontilhismo e até geométricas em sua composição.

Apresentamos a você a origem dos estilos de tatuagem mais procurados no mundo e o significado deles. Lembrando que, apesar de haver uma distinção entre eles, não existe limite para sua aplicação na hora de eternizar um desenho em seu corpo. É permitido misturá-los e criar novas artes a todo momento, desde que isso lhe traga um sentimento gratificante e que expresse sua personalidade.

Se você conhece alguém que vai adorar saber mais sobre o assunto, compartilhe este conteúdo em suas redes sociais e leve mais informação e cultura aos seus amigos!